Arquivo da tag: Política

Brasilia 18 de abril de 2016

O  FUTURO !

BRASIL 18 de ABRIL de 2016
                                                     BRASILIA 18 de ABRIL de 2016

Eduardo Cunha – O brasileiro mais poderoso em 15 de abril de 2016

15 de abril de 2016

Presidente da Câmara de Deputados Federais no Brasil Deputado Eduardo Cunha é a pessoa mais poderosa do Brasil, hoje.

Não consigo entender como um corrupto, segundo a PGR e também a mídia da OPINIÃO PÚBLICA(OP) consegue deter tanto poder.

O que sabe o CUNHA?

Quais as cartas que tem na manga o CUNHA?

Por que os podres republicanos têm medo do CUNHA?

Essas respostas acredito que nunca as teremos.

Presidente da Câmara de Deputados Federais do Brasil, o mais poderoso brasileiro em 15/04/2016
Presidente da Câmara de Deputados Federais do Brasil, o mais poderoso brasileiro em 15/04/2016

Por que o STF não JULGA o EDUARDO CUNHA?

Presidente da Câmara de Deputados Federais EDUARDO CUNHA
Presidente da Câmara de Deputados Federais DEPUTADO EDUARDO CUNHA

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu na quinta-feira, 03 DE MARÇO DE 2016, abrir ação penal contra o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), PLACAR 10 X 0, pelos crimes de corrupção.

Com a decisão, Cunha passa à condição de primeiro réu nas investigações da Operação Lava Jato que tramitam na Corte.

CUNHA tratorando!

CUNHA paralisa a Comissão de Ética e a Liderança do PMDB.

EDUARDO CUNHA
EDUARDO CUNHA – eu sou o bicho!
Cunha tratorando 01
Cunha tratorando 01
Cunha tratorando 02
Cunha tratorando 02
OPINIÃO PÚBLICA (OP) - Folha de São Paulo
OPINIÃO PÚBLICA (OP) – Folha de São Paulo

Cunha manobra e destitui relator de sua cassação no Conselho de Ética

Renato Costa – 8.dez.2015/Folhapress
O Conselho de Ética da Câmara, que analisa o processo de cassação contra Eduardo Cunha (PMDB-RJ)
O Conselho de Ética da Câmara, que analisa o processo de cassação contra Eduardo Cunha (PMDB-RJ)

AGUIRRE TALENTO
RANIER BRAGON
DANIELA LIMA
GUSTAVO URIBE
DE BRASÍLIA

PUBLICIDADE

Em mais uma manobra para atrasar o processo de cassação de seu mandato no Conselho de Ética, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), conseguiu nesta quarta-feira (9) destituir o relator do processo no conselho, deputado Fausto Pinato (PRB-SP), protelando mais uma vez a tramitação.

Cunha usou o vice-presidente da Câmara, deputado Waldir Maranhão (PP-MA), para obter uma decisão da mesa diretora que destituiu Pinato da relatoria. Tanto Cunha como Waldir Maranhão são investigados na Operação Lava Jato.

O fundamento jurídico é que Pinato fez parte do mesmo bloco partidário de Cunha, por isso estaria impedido de analisar o processo contra o presidente da Câmara.

Isso adiou mais uma vez a votação da abertura do processo contra Cunha, que estava prevista para esta quarta-feira (9).

Esse argumento havia sido rejeitado pelo presidente do Conselho de Ética, José Carlos Araújo (PSD-BA), por isso os aliados de Cunha recorreram à mesa diretora. O autor do pedido foi o deputado Manoel Júnior (PMDB-PB).

“Como democrata que sou, respeito a decisão da mesa da Câmara dos Deputados, comandada pelo presidente da Câmara Eduardo Cunha, mas não concordo com a mesa”, afirmou Pinato.

Parlamentares anunciaram que recorrerão ao plenário da Casa para tentar derrubar a decisão da Mesa Diretora.

SEM AVISO

Integrantes da Mesa, porém, deixaram a sala de reunião com Cunha se queixando por não terem sido avisados sobre a decisão de destituir Fausto Pinato.

No momento em que a destituição de Pinato foi anunciada, os integrantes da Mesa Diretora estavam reunidos no gabinete de Cunha. “Isso não foi falado lá em nenhum momento. Nos ficamos sabendo pela internet”, disse a deputada Mara Gabrilli (PSDB-SP).

O mesmo foi alegado pelo deputado Beto Mansur (PRB-SP). Os parlamentares disseram que o despacho de Maranhão sobre Pinato não poderia ser retratado como uma decisão da Mesa.

Cunha ainda não falou sobre o caso. Aliados do peemedebista, no entanto, dizem que a decisão de Maranhão foi articulada com ele.

‘GOLPE’

Após a decisão que destituiu Pinato, uma confusão se instalou no conselho e o grupo pró-Cunha defendeu que fosse feito o sorteio de um novo relator, em vez de Zé Geraldo, que foi escolhido pelo presidente no primeiro momento.

Araújo concordou e disse que faria ainda nesta quarta um sorteio dos três nomes, excluindo os deputados que fizeram parte do mesmo bloco partidário de Cunha, e deve anunciar quinta (10) o nome do relator. Com isso, a sessão foi encerrada por volta das 16h desta quarta.

Foram sorteados os deputados Sérgio Brito (PSD-BA), Marcos Rogério (PDT-RO) e Léo de Brito (PT-AC). Rogério votou a favor do adiamento da votação contra Cunha nesta quarta. Leo de Brito tende a ser anti-Cunha, já que o PT rompeu com o presidente da Câmara. Sérgio Brito não foi à sessão desta quarta.

O presidente do conselho chamou de “golpe” a manobra de Cunha. “Não podemos continuar se a cada instante a insegurança está instalada, a cada instante chega uma ordem diferente para cumprir. Nós não somos meninos de escola. Somos deputados e representamos a sociedade”, afirmou Araújo.

“É humilhante para este Conselho de Ética o que estamos vivendo aqui”, disse o deputado Julio Delgado (PSB-MG).

Com a decisão de escolher um novo relator, o trâmite terá que cumprir novos prazos e Cunha consegue adiar por semanas a votação do processo de sua cassação.

A representação ao conselho foi feita em 13 de outubro de outubro por PSOL e Rede e, quase dois meses depois, ainda não teve nem votação da abertura ou não do processo. Sucessivas manobras de Cunha tem adiado o andamento do processo.

Justamente sob esse argumento das interferências, partidos adversários de Cunha, como PSOL e Rede, fizeram uma representação à Procuradoria Geral da República pelo afastamento dele da presidência da Casa.

O procurador-geral Rodrigo Janot, porém, ainda não fez nenhum pedido ao Supremo Tribunal Federal para afastamento de Cunha.

A deputada Eliziane Gama (Rede-MA) afirmou que fará um aditamento à representação relatando a manobra feita nesta quarta. “É uma demonstração clara que ele não pode presidir a Câmara”, declarou.

DERROTA

A decisão foi informada ao Conselho de Ética pouco tempo depois da primeira derrota de Cunha nessa instância: por 11 votos a 10, os integrantes rejeitaram adiar por cinco dias o processo contra o presidente da Câmara.

O conselho se debruça há mais de um mês sobre o pedido de abertura de processo de cassação contra Cunha, mas tem sido impedido de realizar a votação por meio de medidas protelatórias patrocinadas pelo presidente da Casa.

A representação contra Cunha, protocolada pelo PSOL e pela Rede, acusa-o de ter mentido aos seus pares ao declarar, na CPI da Petrobras, que não teria contas no exterior. O Ministério Público da Suíça enviou ao Brasil a descoberta de quatro contas no exterior do deputado e familiares.

A defesa de Cunha, porém, argumenta que três dessas contas se constituíam em trustes, espécie de investimento no qual ele entrega os recursos a um banco para que administre e diz que ele não tinha mais responsabilidade sobre esse dinheiro. A outra conta pertence nominalmente à sua mulher, Cláudia Cruz.

O caso é alvo de inquérito da Procuradoria Geral da República, mas ainda não virou denúncia à Justiça.

INTERFERÊNCIA

O conselho tem sido impedido de votar abertura de processo anti-Cunha por meio de medidas protelatórias patrocinadas pelo presidente da Casa

  • ADIAMENTO NEGADO – Pedido para adiar a sessão por cinco dias é adiado pela Comissão. Com dez votos a favor e dez votos contrários, o presidente da comissão, deputado José Carlos Araújo (PSD-BA), deu o voto de minerva contra o adiamento.
  • NOVO PEDIDO NEGADO – Em reprise da votação anterior, é rejeitado um novo pedido, desta vez para adiar a votação por quatro dias
  • ALIADOS DE CUNHA TROCAM RELATOR – Mesa da Câmara, presidida pelo próprio Cunha e composta por aliados, troca o relator do processo, Fausto Pinato (PRB-SP), que deu parecer favorável à continuidade do processo de cassação
  • RELATÓRIO É MANTIDO – O presidente do Conselho nomeia o petista Zé Geraldo (PA) para ser o novo relator. Ele subscreveu o relatório de Pinato
  • VOTAÇÃO ADIADA – A troca de relatores adiou mais uma vez a votação da abertura do processo contra Cunha, que estava prevista para esta quarta-feira (9)

TEMER tentando ser “sincero”.

G1 – JORNAL HOJE

Edição do dia 10/12/2015

10/12/2015 13h58 – Atualizado em 10/12/2015 14h03

Dilma e Temer se encontram e dizem que não há rompimento

O encontro aconteceu no Palácio do Planalto e durou cerca de uma hora.

“Combinamos, eu e a presidenta Dilma, que nós teremos uma relação pessoal institucional que seja a mais fértil possível”, disse Temer.

MICHEL TEMER

MICHEL TEMER

Com relação a sessão do voto secreto falou o Michel Temer

09/12/2015 13h36 – Atualizado em 09/12/2015 15h36

Sessão desta terça foi ‘legítimo exercício’ da Câmara, diz Temer

Vice falou rapidamente a jornalistas ao deixar o Palácio do Planalto.
Instituições funcionam em ‘regime de normalidade democrática’, disse.

Temerários: Eduardo Cunha / Michel Temer

Carta do Michel Temer

São Paulo, 07 de Dezembro de 2.015.

Michel Temer
Michel Temer

Senhora Presidente,

“Verba volant, scripta manent” (As palavras voam, os escritos permanecem)

Por isso lhe escrevo. Muito a propósito do intenso noticiário destes últimos dias e de tudo que me chega aos ouvidos das conversas no Palácio.

Esta é uma carta pessoal. É um desabafo que já deveria ter feito há muito tempo.

Desde logo lhe digo que não é preciso alardear publicamente a necessidade da minha lealdade. Tenho-a revelado ao longo destes cinco anos.

Lealdade institucional pautada pelo art. 79 da Constituição Federal. Sei quais são as funções do Vice. À minha natural discrição conectei aquela derivada daquele dispositivo constitucional.

Entretanto, sempre tive ciência da absoluta desconfiança da senhora e do seu entorno em relação a mim e ao PMDB. Desconfiança incompatível com o que fizemos para manter o apoio pessoal e partidário ao seu governo.

Basta ressaltar que na última convenção apenas 59,9% votaram pela aliança. E só o fizeram, ouso registrar, por que era eu o candidato à reeleição à Vice.

Tenho mantido a unidade do PMDB apoiando seu governo usando o prestígio político que tenho advindo da credibilidade e do respeito que granjeei no partido. Isso tudo não gerou confiança em mim. Gera desconfiança e menosprezo do governo.

Vamos aos fatos. Exemplifico alguns deles.

1. Passei os quatro primeiros anos de governo como vice decorativo. A Senhora sabe disso. Perdi todo protagonismo político que tivera no passado e que poderia ter sido usado pelo governo. Só era chamado para resolver as votações do PMDB e as crises políticas.

2. Jamais eu ou o PMDB fomos chamados para discutir formulações econômicas ou políticas do país; éramos meros acessórios, secundários, subsidiários.

3. A senhora, no segundo mandato, à última hora, não renovou o Ministério da Aviação Civil onde o Moreira Franco fez belíssimo trabalho elogiado durante a Copa do Mundo. Sabia que ele era uma indicação minha. Quis, portanto, desvalorizar-me. Cheguei a registrar este fato no dia seguinte, ao telefone.

4. No episódio Eliseu Padilha, mais recente, ele deixou o Ministério em razão de muitas “desfeitas”, culminando com o que o governo fez a ele, Ministro, retirando sem nenhum aviso prévio, nome com perfil técnico que ele, Ministro da área, indicara para a ANAC. Alardeou-se a) que fora retaliação a mim; b) que ele saiu porque faz parte de uma suposta “conspiração”.

5. Quando a senhora fez um apelo para que eu assumisse a coordenação política, no momento em que o governo estava muito desprestigiado, atendi e fizemos, eu e o Padilha, aprovar o ajuste fiscal. Tema difícil porque dizia respeito aos trabalhadores e aos empresários. Não titubeamos. Estava em jogo o país. Quando se aprovou o ajuste, nada mais do que fazíamos tinha sequência no governo. Os acordos assumidos no Parlamento não foram cumpridos. Realizamos mais de 60 reuniões de lideres e bancadas ao longo do tempo solicitando apoio com a nossa credibilidade. Fomos obrigados a deixar aquela coordenação.

6. De qualquer forma, sou Presidente do PMDB e a senhora resolveu ignorar-me chamando o líder Picciani e seu pai para fazer um acordo sem nenhuma comunicação ao seu Vice e Presidente do Partido. Os dois ministros, sabe a senhora, foram nomeados por ele. E a senhora não teve a menor preocupação em eliminar do governo o Deputado Edinho Araújo, deputado de São Paulo e a mim ligado.

7. Democrata que sou, converso, sim, senhora Presidente, com a oposição. Sempre o fiz, pelos 24 anos que passei no Parlamento. Aliás, a primeira medida provisória do ajuste foi aprovada graças aos 8 (oito) votos do DEM, 6 (seis) do PSB e 3 do PV, recordando que foi aprovado por apenas 22 votos. Sou criticado por isso, numa visão equivocada do nosso sistema. E não foi sem razão que em duas oportunidades ressaltei que deveríamos reunificar o país. O Palácio resolveu difundir e criticar.

8. Recordo, ainda, que a senhora, na posse, manteve reunião de duas horas com o Vice Presidente Joe Biden – com quem construí boa amizade – sem convidar-me o que gerou em seus assessores a pergunta: o que é que houve que numa reunião com o Vice Presidente dos Estados Unidos, o do Brasil não se faz presente? Antes, no episódio da “espionagem” americana, quando as conversar começaram a ser retomadas, a senhora mandava o Ministro da Justiça, para conversar com o Vice Presidente dos Estados Unidos. Tudo isso tem significado absoluta falta de confiança;

9. Mais recentemente, conversa nossa (das duas maiores autoridades do país) foi divulgada e de maneira inverídica sem nenhuma conexão com o teor da conversa.

10. Até o programa “Uma Ponte para o Futuro”, aplaudido pela sociedade, cujas propostas poderiam ser utilizadas para recuperar a economia e resgatar a confiança foi tido como manobra desleal.

11. PMDB tem ciência de que o governo busca promover a sua divisão, o que já tentou no passado, sem sucesso. A senhora sabe que, como Presidente do PMDB, devo manter cauteloso silencio com o objetivo de procurar o que sempre fiz: a unidade partidária.

Passados estes momentos críticos, tenho certeza de que o País terá tranquilidade para crescer e consolidar as conquistas sociais.

Finalmente, sei que a senhora não tem confiança em mim e no PMDB, hoje, e não terá amanhã. Lamento, mas esta é a minha convicção.

Respeitosamente,

\ L TEMER

A Sua Excelência a Senhora

Doutora DILMA ROUSSEFF

DO. Presidente da República do Brasil

Palácio do Planalto

ZH NOTÍCIAS  [17/07/2015 – 11h35min | Atualizada em 19/07/2015 – 10h22min]

Leia no original:(http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/noticia/2015/07/cunha-rompe-com-governo-essa-lama-eu-nao-vou-aceitar-4803839.html) se preferir leia o texto copiado aqui:

Cunha rompe com governo: “Essa lama, eu não vou aceitar”

Deputado responsabiliza o Planalto pelo seu envolvimento no esquema

17/07/2015 – 11h35min | Atualizada em 19/07/2015 – 10h22min

 

Eduardo Cunha
Eduardo Cunha

Em rota de colisão com o Planalto desde que assumiu a presidência da Câmara, no início do ano, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) oficializou ontem o seu rompimento com o governo de Dilma Rousseff. Cunha afirmou que, a partir de agora, será oposição. Mas enfatizou que não atuará contra o governo como presidente da Casa. A reação veio menos de 24 horas depois do vazamento de depoimento do lobista Julio Camargo à Operação Lava-Jato citando o pagamento de US$ 5 milhões de propina a Cunha — o deputado nega e responsabiliza o Planalto pelo seu envolvimento nas investigações.

O anúncio traz novas dificuldades para a relação entre o Executivo e o Legislativo. O primeiro sinal de retaliação ao Planalto não demorou a aparecer: Cunha criou a CPI do BNDES e autorizou a criação da CPI dos Fundos de Pensão.

— Estou oficialmente rompido com o governo a partir de hoje. Teremos a seriedade que o cargo ocupa. Porém, o presidente da Câmara é oposição ao governo — disse em entrevista coletiva.

Delator foi obrigado por Janot a mentir, acusa Eduardo Cunha

Cunha acusou o governo de ter orquestrado uma campanha contra ele no âmbito da Lava-Jato e disse que há um “bando de aloprados” no Planalto, mas se negou a responder quem seriam essas pessoas. O parlamentar afirmou também que não será arrastado “para a lama” em que o governo se envolveu em atos de corrupção na Petrobras. Garantiu ter provas da atuação do governo contra ele e informou que a Receita Federal está fazendo uma devassa fiscal em suas contas desde 23 de junho — em nota, o fisco disse que não comenta “situação de contribuinte específico”.

— Essa lama, eu não vou aceitar — afirmou Cunha.

O ato de Cunha pode se estender ao PMDB. O presidente da Câmara disse que defenderá o rompimento imediato da sigla com o governo no próximo congresso, que acontecerá em setembro. Questionado sobre como ficaria o vice-presidente da República, Michel Temer — presidente nacional do PMDB — com a situação, Cunha afirmou não ver problema em o partido sair do governo e ainda assim Temer continuar como vice-presidente.

“Porta da minha casa está aberta”, diz Cunha sobre operação Politeia

Apesar de ser da base aliada, o partido tem gerado tensão para o governo. O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), que não é de partir para o ataque ao Planalto verbalmente, tem preferido retaliar Dilma em votações e manobras na Casa.

Minutos após a oficialização do rompimento de Cunha com o Planalto, o PMDB saiu à público para afirmar que a sigla continua na base do governo. Em nota, o partido diz que a decisão do deputado é “a expressão de uma posição pessoal, que se respeita pela tradição democrática do PMDB”, mas enfatiza que qualquer sinalização sobre deixar a base aliada só pode ser tomada “após consulta às instâncias decisórias do partido: comissão executiva nacional, conselho político e diretório nacional”.

Leia as últimas notícias do dia

Em nota, o líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani (RJ), informou que a bancada do partido na Casa só definirá na volta do recesso parlamentar se acompanha ou não Cunha. Na entrevista, o peemedebista ainda se defendeu das acusações de ter recebido propina e atacou o governo, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, o juiz Sergio Moro e os delatores Julio Camargo e Alberto Youssef. Vai pedir ainda que o processo vá para o Supremo Tribunal Federal. Segundo Cunha, “estão pegando dados do Youssef seletivamente”, uma vez que o doleiro disse que Dilma Rousseff e Luiz Inácio Lula da Silva sabiam do esquema, mas não foram alvo de inquérito.

— O governo faz tudo para me derrotar. O governo sempre me viu como uma pedra no sapato. O governo não me queria, nunca me quis e não me quer como presidente da Câmara. O governo não me engole.

Os procedimentos adotados por Moro na delação de Camargo foram criticados. Segundo Cunha, o juiz não poderia ter colhido depoimentos contra alguém que tem foro privilegiado. Ele alega que isso só poderia ser feito pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Por meio de nota, Moro disse que não cabe a ele silenciar testemunhas ou acusados na condução do processo.

Ontem 08 de dezembro de 2015, assistimos a uma agressão gratuita da Câmara de Deputados aos brasileiros.

O Presidente da Câmara que tem processos no STF e está manobrando na Comissão de Ética da Câmara para não ser julgado pelos seus pares, manobrou mais uma vez, apoiado pelo PSDB, DEM, PPS e Paulinho da Força ele impôs um novo método para que os partidos com representação legislativa indicassem os parlamentares que fariam parte da Comissão que analisará o pedido de impeachmant da Presidenta Dilma Rousseff. Uma votação secreta. Cujo resultado segue abaixo:

Comissão Parlamentar
Comissão Parlamentar

Com essa votação onde faltarm 42 deputados federais o Cunha marcou para o dia 09/12/2015 a sessão que complementaria a indicação de deputados para completar os 65 deputados da referida Comissão.

O STF através do Ministro Luis Edson Fachin suspendeu  a sessão que se realizaria hoje até a próxima quarta-feira quando o STF deliberará em plenário. O objetivo é evitar novos atos que, posteriormente, podem ser invalidados pelo Supremo, o ministro suspendeu todo o processo do impeachment, inclusive prazos.

Ontem, terça-feira o PC do B, antes de a Câmara eleger a chapa oposicionista. Entrou no STF com a ação judicial, o partido questionou não apenas a possibilidade de deputados concorrerem às vagas sem indicação pelos líderes de seus partidos, mas também a votação secreta para escolha da chapa e a divisão da comissão por blocos, e não partidos.

Ao analisar o pedido do PC do B, o Ministro Luis Edson Fachin considerou que a votação secreta – que impede a identificação da opção de cada parlamentar – não está prevista no regimento interno da Câmara e na Constituição.

 

Com essa decisão o Ministro tenta evitar novos atos que, posteriormente, podem ser invalidados pelo Supremo, o ministro suspendeu todo o processo do impeachment, inclusive prazos. A decisão valerá até a quarta da semana que vem, dia 16, quando o STF se reunirá em plenário para decidir sobre outros questionamentos feitos pelo PC do B.

Hoje às 14:00 horas o Cunha e aliados novamente atuará para impedir que a Comissão de Ética faça a votação do parecer apresentado na Comissão a cinco sessões.

Esse é, lamentavelmente, a Câmara de Deputados Federais que temos no Brasil.

Em defesa do CUNHA critica escolha do relator

A4 Quarta-feira, 4 de novembro de 2015           O Estado de São Paulo

clique no título: Candidatos à relatoria do Conselho de Ética veem ‘evidências’  contra Cunha e leia no orginal em PDF

Congresso. Colegiado abre processo que pode levar à cassação do presidente da Câmara; três deputados foram sorteados e defendem que há indícios para o prosseguimento da ação por quebra de  decoro; o mais cotado para ser escolhido relator é Fausto Pinato, do PRB.

Candidatos à relatoria do Conselho de Ética veem ‘evidências’  contra Cunha

jornal O Estado de São Paulo
jornal O Estado de São Paulo

Daniel Carvalho e Daiene Cardoso / BRASÍLIA

O Conselho de Ética da Câmara dos Deputados sorteou
ontem parlamentares do PT, PR e PRB para compor a lista
da qual será escolhido o relator do processo por quebra
de decoro parlamentar contra o presidente da Casa,
Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Os três sorteados afirmam
que há evidências suficientes para levar adiante o processo
que pode levar à cassação do peemedebista.

O presidente do colegiado, José Carlos Araújo (PSD-BA),
disse que iria conversar com os sorteados – Zé Geraldo (PTPA),
Vinícius Gurgel (PR-AP) e Fausto Pinato (PRB-SP) – e
anunciar sua decisão na tarde de hoje. Ele quer garantir que o
relator escolhido não arquive o processo logo no parecer inicial,
que deve ser feito em dez dias úteis apontando a admissibilidade
ou a inépcia da ação.

Segundo deputados ouvidos pela reportagem, o favorito para
relatar o processo é Fausto Pinato. A interlocutores, ele disse
entender que as provas contra Cunha são fortes.No entanto,
em público, por orientação de colegas mais experientes, o
deputado de primeiro mandato preferiu se esquivar.

“Tem que fazer avaliação das provas, garantir direito de
ampla defesa e contraditório. Não posso fazer juízo de valor
para não incorrer em suspeição”, disse o parlamentar, que
se recusou a responder perguntas como, por exemplo, em
quem havia votado na eleição de presidente da Câmara no início
deste ano. O deputado disse não temer a pressão. “Nunca
tive medo, desde que nasci. Não vou aceitar nenhum tipo
de pressão”, ressaltou Pinato, que deixou às pressas a reunião
do Conselho de Ética.

Indícios. Os outros sorteados foram mais incisivos ao apontar o impacto das provas contra Cunha. “As evidências são bastantes.
As evidências são muitas. Isso quem está dizendo não somos nós, membros da comissão. São os delatores. Nós, membros da comissão, temos que agir com isenção”, declarou o petista Zé Geraldo.

Se escolhido ,o deputado disse que não será um “engavetador”, optando por apontar ausência de admissibilidade.“ Sendo o relator, tenho que relatar. Não posso engavetar”, afirmou.

O petista negou ter sido procurado por emissários do governo ou do PT, como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “Nossos três membros da Comissão de Ética nunca receberam nenhuma manifestação de ninguém. Nem de governo, nem de partido, nem de Lula, nem de ninguém”, disse. “A posição nossa vai ser uma posição de Comissão de Ética. Partido é partido,governo é governo,religião é religião e Comissão de Ética é Comissão de Ética.”

No entanto, ele admitiu que conversará com seu partido caso seja escolhido. “Vou conversar, vou ouvir todo mundo. Naturalmente, vou ser procurado. Não é qualquer processo.”

‘Provas’. Apesar de ter sido cabo eleitoral de Cunha durante a campanha pela eleição para presidente da Câmara no início do ano e se manter próximo ao peemedebista durante todos esses meses, Vinícius Gurgel disse que, se escolhido, será um relator que vai apurar as irregularidades“ até o final”.“Vou pedir auxilio à Procuradoria-Geral da República, órgãos que estão com documentos contra Eduardo (Cunha), para analisar as fundamentações”, disse. “Pelas provas que se apresentam, acredito que não (há indicação pela inépcia). Na minha opinião, não.”

Eduardo Cunha é acusado de ter mentido à CPI da Petrobrás
ao negar que possuía contas no exterior.Posteriormente, a pedido da Procuradoria-Geral da República, um inquérito foi aberto no Supremo Tribunal Federal para apurar se contas atribuídas ao peemedebista na Suíça. (Publicado no líder da OPINIÃO PÚBLICA (OP) jornal Estado de São Paulo)

JOVENS DA GRÃ-BRETANHA CORREM O RISCO DE SER ‘GERAÇÃO PERDIDA’ , ADVERTE RELATÓRIO IGUALDADE

A OPINIÃO PÚBLICA (OP) não divulgará jamais essa matéria, pois mostra que os britânicos tem uma situação de país pior do que o Brasil.

Assim só colocam matérias que menosprezam os brasileiros e enchem os ouvidos diariamente da população brasileira com asneiras e campanhas contra o governo legitimamente eleito.

É duro mas é a realidade o texto abaixo é do jornal britânico The Guardian publicado em 30/10/2015.

O endereço do texto original é: [http://www.theguardian.com/society/2015/oct/30/britains-youth-at-risk-of-being-lost-generation-warns-equality-report?CMP=Share_AndroidApp_Facebook?CMP=Share_AndroidApp_Facebook] onde pode ser lido em inglês.

TRADUÇÃO do artigo do The Guardian

JOVENS DA GRÃ-BRETANHA EM RISCO DE SER ‘GERAÇÃO PERDIDA’ , ADVERTE RELATÓRIO IGUALDADE
Igualdade e Direitos Humanos Comissão diz abaixo de 34 anos tem ganho pouco em termos salariais e de emprego nos últimos cinco anos.

Those aged 21-24 will not benefit from George Osborne’s ‘national living wage’. Photograph: Martin Godwin for the Guardian
Those aged 21-24 will not benefit from George Osborne’s ‘national living wage’. Photograph: Martin Godwin for the Guardian

Os jovens enfrentam a piores perspectivas econômicas para várias gerações e suas vidas pioraram ao longo dos últimos cinco anos, um relatório abrangente concluiu.

A Comissão de Igualdade e Direitos Humanos (CEDH) disse que os jovens – definidos como aqueles com menos de 34 – sofreu a maior perda na renda e emprego e agora enfrenta os maiores obstáculos para alcançar independência econômica e sucesso do que há cinco anos.

O período durante o qual o seu destino se agravou coincide com a eleição do governo de coalizão conservadora liderada em 2010.

A comissão, que tem um mandato do parlamento para combater a discriminação, disse que, embora a vida ficasse mais justa para muitos, o progresso tinha estagnado ou até mesmo pioraram para alguns grupos da sociedade.

O relatório, é a Grã-Bretanha mais justa ?, revelou que, durante a recessão e até 2013, as pessoas com idade inferior a 34 anos foram atingidas pelas quedas mais acentuadas em termos salariais e de emprego, tinham menos acesso a uma habitação decente e empregos mais bem remunerados, e foram experimentando níveis de aprofundamento da pobreza.

A taxa de desemprego para jovens de 24 anos de 16 a situou-se em 14,8% para os três meses anteriores a Agosto, de acordo com dados oficiais, com alguns 683.000 classificados como desempregados. Essa taxa foi maior do que a de 13,8% registrada nos três meses até Fevereiro de 2008 – antes da crise financeira que atingiu os britânicos.

EHRC comissário Laura Carstensen disse que, embora as barreiras foram sendo reduzido em alguns setores da sociedade, em especial os jovens estavam tendo que lidar com circunstâncias muito mais difíceis.

“Esses serão os ombros em que o país contará prever um rápido envelhecimento da população, eles ainda têm as piores perspectivas econômicas para várias gerações”, disse ela.

TUC secretário-geral Frances O’Grady disse que o governo já não podia dar ao luxo de ignorar a situação dos jovens, que estavam lutando para lidar com os baixos níveis de remuneração, agravando as perspectivas de emprego e o aumento dos custos de habitação.

“Este relatório deve ser encaminhado para ministros. Caminhada até os honorários de universidades e faculdades e exclusão dos jovens da nova taxa de aumento do salário mínimo não é o caminho para construir uma Grã-Bretanha justo e próspero. É o modelo para uma geração perdida “, disse ela.

“Sem oportunidades de melhor emprego e de formação que muitos jovens vão continuar a ser fechadas da recuperação.”

George Osborne anunciou um “salário mínimo nacional” no orçamento deste julho de £ 7,20 uma hora a partir de abril próximo, mas apenas para os trabalhadores com 25 anos ou acima. Aqueles com idade entre 21 a 24 continuará a ser pago o salário mínimo nacional atual de £ 6,70 uma hora.

Maria Miller, presidente do Commons novas mulheres e igualdades seleto comitê, disse que o governo precisa para enfrentar as desigualdades em destaque no relatório se ele queria que a Inglaterra para se tornar uma sociedade mais justa.

“O papel do novo comitê seleto é examinar a eficácia do governo é realmente em entregar suas promessas de igualdade”, disse ela. “Muitos dos desafios destacados neste relatório serão tema de nossas investigações.”

O relatório também descobriu que EHRC pobreza agora teve um impacto muito maior sobre a educação dos britânicos brancos do que para os de outros grupos étnicos. Meninos brancos de famílias pobres estavam experimentando uma combinação de desvantagem, de acordo com a sua pesquisa.

As pessoas de Bangladesh e do patrimônio paquistanês registrou as maiores melhorias na educação e emprego, enquanto que os de ascendência Africano e Caraíbas sofreram algumas das maiores quedas na renda. Alunos da escola da herança chinesa e indiana continuam melhores do que outras crianças executar, disse o relatório.

A comissão também examinou atitudes em relação à diversidade racial e orientação sexual.

Enquanto os britânicos tornaram-se mais tolerante em ambos os casos, verificou-se que o Reino Unido tinha se tornado menor na aceitação da diversidade religiosa, com um aumento de crimes de ódio anti-semita e islamofobia.

Carstensen disse que, embora o povo britânico queria uma sociedade onde todos foi capaz de ter sucesso independentemente da sua origem, realização muitas vezes defasados ​​alguma distância atrás de aspiração.

“Embora tenhamos feito progressos importantes em muitas áreas, as portas de entrada para oportunidade que a comissão identificou cinco anos atrás permanecem mais difícil de passar através de alguns grupos, como pessoas com deficiência, pessoas oriundas de meios mais pobres e mulheres com mais de uma certa idade”, disse ela .

A revisão, Como é o mercado na Grã-Bretanha ?, publicado em Outubro de 2010, constatou que, embora algumas desigualdades permanecem entrincheirados, novos desafios foram surgindo como a população do país envelhecido e tornou-se etnicamente e religiosamente diversa.

Trevor Phillips, então presidente da comissão, disse que no momento ainda havia “gateways a oportunidade que apareça permanentemente fechados, não importa quão duro eles tentam; enquanto outros parecem ter sido emitido um “acessar todas as áreas ‘a partir do nascimento”.

===================================================TEXTO original

Britain’s youth at risk of being ‘lost generation’, warns equality report

Equality and Human Rights Commission says under-34s have seen steepest drops in pay and employment in the past five years
Young people working

Those aged 21-24 will not benefit from George Osborne’s ‘national living wage’. Photograph: Martin Godwin for the Guardian

Those aged 21-24 will not benefit from George Osborne’s ‘national living wage’. Photograph: Martin Godwin for the Guardian

Chris Johnston
@cajuk

Friday 30 October 2015 00.37 GMT
Last modified on Friday 30 October 2015 01.00 GMT

Young people face the the worst economic prospects for several generations and their lives have got worse over the past five years, a comprehensive report has concluded.

The Equality and Human Rights Commission (EHRC) said that young people – defined as those under 34 – suffered the biggest slide in income and employment and now faced higher barriers to achieving economic independence and success than five years ago.

The period during which their fate has worsened coincides with the election of the Conservative-led coalition government in 2010.

The commission, which has a mandate from parliament to tackle discrimination, said that although life had become fairer for many, progress had stalled or even worsened for some groups in society.

The report, Is Britain Fairer?, showed that during the recession and up to 2013, people aged under 34 were hit by the steepest drops in pay and employment, had less access to decent housing and better paid jobs, and were experiencing deepening levels of poverty.

The unemployment rate for 16- to 24-year-olds stood at 14.8% for the three months to August, according to official figures, with some 683,000 classed as unemployed. That rate was higher than the 13.8% recorded for the three months to February 2008 – before the financial downturn struck.

EHRC commissioner Laura Carstensen said that while barriers were being lowered in some sections of society, young people in particular were having to cope with far more difficult circumstances.

“Theirs are the shoulders on which the country will rely to provide for a rapidly ageing population, yet they have the worst economic prospects for several generations,” she said.

TUC general secretary Frances O’Grady said the government could no longer afford to ignore the plight of young people, who were struggling to cope with low levels of pay, worsening employment prospects and rising housing costs.

“This report should be wake-up call to ministers. Hiking up university and college fees and excluding young people from the new higher minimum wage rate is not the way to build a fair and prosperous Britain. It is the blueprint for a lost generation,” she said.
Advertisement

“Without better employment and training opportunities many young people will continue to be shut of the recovery.”

George Osborne announced a “national living wage” in this July’s Budget of £7.20 an hour from next April, but only for workers aged 25 and above. Those aged 21 to 24 will continue to be paid the current national minimum wage of £6.70 an hour.

Maria Miller, chair of the new Commons women and equalities select committee, said the government needed to tackle the inequalities highlighted in the report if it wanted Britain to become a fairer society.

“The role of the new select committee is to scrutinise how effective the government really is on delivering its equality promises,” she said. “Many of the challenges highlighted in this report will form the subject of our inquiries.”

The EHRC report also found that poverty now had a much bigger impact on the education of white Britons than it did for those from other ethnic groups. White boys from poor families were experiencing a combination of disadvantage, according to its research.

People of Bangladeshi and Pakistani heritage recorded the biggest improvements in education and employment, while those of African and Carribean descent suffered some of the biggest falls in income. School pupils of Chinese and Indian heritage continue to perform better than other children, said the report.

The commission also examined attitudes toward racial diversity and sexual orientation.

While Britons have become more tolerant on both counts, it found that the UK had become less accepting of religious diversity, with an increase in antisemitic and Islamophobic hate crime.
Advertisement

Carstensen said that although the British people wanted a society where everyone was able to succeed regardless of their background, achievement often lagged some distance behind aspiration.

“While we have made important progress in many areas, the gateways to opportunity that the commission identified five years ago remain harder to pass through for some groups, such as disabled people, those from poorer backgrounds and women over a certain age,” she said.

The review, How Fair is Britain?, published in October 2010, found that while some inequalities remain entrenched, new challenges were emerging as the country’s population aged and became ethnically and religiously diverse.

Trevor Phillips, then chair of the commission, said at the time there were still “gateways to opportunity that appear permanently closed, no matter how hard they try; while others seem to have been issued with an ‘access all areas’ pass at birth”.

Equality and Human Rights Commission (EHRC)